Ministério da Informação

a-scene-from-the-movie-1984-2604-20081125-187

A obra de George Orwell é reconhecidamente uma referência incontornável na filosofia politica do século XX. A sua particular atenção aos problemas sociais e políticos tornavam-no num espectador privilegiado para apontar os perigos de regimes totalitários como os que existiram ao longo do século passado. As suas duas grandes obras são: 1984 e O triunfo dos porcos (na nova tradução nacional: A Quinta dos animais).

Mas se a sua obra é uma sátira perfeita aos regimes totalitários que existiram ao longo do século passado, podemos também rever-nos nas actuais democracias ocidentais. Poderíamos fazer uma lista pormenorizada de situações em que o Grande Irmão de 1984 entraria nas nossas vidas. No entanto, a gravidade não passa apenas pela imposição de certas realidades mas sobretudo pela passividade social com que as populações aceitam determinadas manipulações.

Deve lembrar-se de um programa famoso do início dos anos 2000 chamado Big Brother, que passou na TVI. Um programa que filmava a vida de um conjunto de pessoas durante 24h por dia. A privacidade era exposta e tudo era colocado ao arbítrio de uma entidade desconhecida. Os que viviam dentro da casa não sabiam o que passava para fora da casa. Os que viam o programa ficavam limitados às imagens seleccionadas. O que se pode concluir? Este é um exemplo concreto do que Orwell transmitia no seu 1984. A limitação do que vemos e do que nos é mostrado restringe a nossa percepção e a construção de uma opinião fundamentada e parcial.

 21352c110

 

Queria hoje reflectir sobre um pormenor. Na sociedade apresentada em 1984 aparece um Ministério muito particular: o Ministério da Informação. Neste ministério é analisada toda a informação saída nos meios de comunicação social e reconstruída sempre que é necessário. Era necessário que este ministério reconstruísse a informação de acordo com os interesses políticos do momento. Dizia-se: “a verdade é o momento; se a verdade vai contra o interesse do momento torna-se numa mentira”.

 E surgem estas mudanças sem que a sociedade civil compreendesse o que se passava. O pior era a total passividade e alienação desses assuntos da sociedade civil. Ela própria perdeu a capacidade de pensar e raciocinar porque perdeu as suas principais referências.

 jose_socrates

 

Será possível encontrar algumas parecenças com a actual situação nacional? De maneira nenhuma. O Sr. Primeiro-ministro face ao desespero de uma imagem denegrida por sucessivos escândalos e por uma relação deteriorada com a TVI, resolve influenciar a compra da referida televisão pela PT.

Outro exemplo passado em Odivelas. Será possível que a imprensa local só noticie acontecimentos realizados pelo actual poder camarário? Não será coincidência ser um poder local socialista e ter sido este que sempre esteve à frente da Câmara Municipal de Odivelas?

São apenas algumas reflexões para nos por a pensar e para reflectirmos se queremos manter uma governação autárquica e legislativa que não sabe viver com a diferença nem com a crítica.

 

Hélder Silva

Advertisements

Uma resposta

  1. Realmente tristes são os dias de hoje em que cada vez mais escandalos são apontados ao Sr. Primeiro Ministro , a corrupção aumenta a cada dia que passa e faz-se sentir a falta de lideres fortes para levar o pais a um rumo melhor . Pode-se ver claramente que neste momento nao existe um unico partido que possa tomar as medidas necessárias para criarmos novamente um pais forte e senhor de si , é uma pena sem duvida

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: